Saiba como tratar unha encravada inflamada

Saiba como tratar unha encravada inflamada

A unha encravada, chamada cientificamente de onicocriptose, acontece quando o canto da unha cresce e começa a entrar na pele que fica ao redor da unha.

O problema afeta homens e mulheres, sem distinção, e ocorre em maior frequência no primeiro dedo do pé, o “dedão”.

Geralmente, a unha encravada causa bastante dor, e deixa a região inflamada, com vermelhidão e inchaço.

Ela não costuma provocar problemas maiores do que o desconforto e a dor, mas pode se agravar, se não houver tratamento.

Então, vamos compreender como aparece e o que se deve fazer para tratar unha encravada inflamada.

 

Quais são as causas da unha encravada?

A unha normalmente cresce de forma vertical em relação ao dedo. Por isso, ela não fere nem empurra a pele ao seu redor.

No entanto, alguns fatores podem fazer com que a extremidade lateral cresça em direção à pele, causando inflamação e dor.

Entre as razões mais comuns estão:

  • Usar sapatos apertados, que “espremem” os dedos dos pés.
  • Cortar as unhas erroneamente, arredondando as laterais.
  • Cortar as unhas em excesso, mantendo-as curtas demais.
  • Praticar esportes que possam lesionar as unhas.
  • Variações anatômicas e deformidades congênitas, como unhas curvadas e joanetes.
  • Lesões traumáticas, como queda ou batida.
  • Onicomicoses (micose de unha). 

Vale lembrar que uma visão ruim, incapacidade física para alcançar os dedos dos pés e unhas grossas, podem dificultar o processo de cortar as unhas.

Nesse caso, é indicado que se procure o atendimento de um podólogo para realizar a manutenção das unhas dos pés.

Além disso, deve-se sempre usar sapatos confortáveis, que ofereçam espaço suficiente ao redor dos dedos.

 

O que NÃO fazer em caso de unha encravada inflamada?

Se a unha estiver muito encravada, inflamada ou com pus, principalmente se não for possível caminhar normalmente, deve-se procurar um podólogo ou médico dermatologista para desencravar a unha.

 

  • NÃO é indicado que se tente fazer o procedimento em casa, devido ao risco de agravamento ou infecção.
  • Também não é aconselhável colocar um curativo apertado, porque pode piorar a inflamação e, consequentemente, a dor.
  • Cobrir a região afetada com algodão ou gaze, como algumas pessoas indicam, também pode ser perigoso, porque o abafamento é capaz de aumentar a proliferação de bactérias no local.

Em resumo, evite recorrer a tratamentos caseiros. Procure orientação profissional, de um médico ou podólogo, que poderá realizar os procedimentos necessários e indicar os recursos mais adequados a cada caso.

 

Então, como tratar unha encravada inflamada?

Na maioria dos casos, o tratamento podológico é bastante simples, e consiste na remoção do pedaço de unha que está gerando inflamação.

Porém, há pacientes que apresentam unha encravada de maneira recorrente e, por isso, faz-se necessário que se apliquem órteses podais, isto é, dispositivos simples capazes de corrigir e/ou reestruturar a unha, para evitar novas ocorrências.

As fibras de memória molecular, por exemplo, são fáceis de aplicar e extremamente discretas. Elas tracionam a unha, modificando-a, a fim de chegar ao formato ideal.  Outras órteses contam com a ação de elásticos ou fios metálicos, que corrigem a curvatura, sem agredi-la.

Esses aparelhos são aplicados apenas por podólogos, os quais irão avaliar cada caso particular, de forma a elencar qual a necessidade e qual o melhor dispositivo para cada paciente.

Em casos mais graves, ou quando há infecção que exige o uso de medicamentos, é necessária a avaliação médica de um dermatologista, já que o podólogo não pode receitar medicação nem realizar cirurgias – pois a podologia só utiliza analgesia, mas não pode aplicar anestesias injetáveis.

O médico poderá prescrever pomadas ou cremes antibióticos de uso tópico, além de analgésicos e antibióticos de uso oral.

Os antibióticos orais são especialmente recomendados para pessoas com imunidade baixa, que não respondem à aplicação de pomadas ou cremes somente.

Quanto aos procedimentos cirúrgicos, são indicados nos casos em que as unhas encravam frequentemente e o tratamento com órteses ou corte não dão resultado.

A cirurgia é feita com anestesia local e, na maioria dos casos, não é necessário retirar toda a unha.

O procedimento mais comum é a cantoplastia, isto é, a remoção e remodelação das laterais da unha. A técnica é minimamente invasiva, traz resultados satisfatórios e a recuperação é rápida. As cirurgias devem ser executadas por um dermatologista ou cirurgião plástico.

 

Quais são os riscos de não tratar a unha encravada inflamada?

Ao longo do tempo, a ferida pode piorar e apresentar secreção e pus. Pus não significa, necessariamente, infecção. Pode ser apenas uma reação do organismo contra a agressão da pele. Porém, em casos mais graves, pode virar, sim, um processo infeccioso.

O cuidado deve ser redobrado em casos de pacientes com diabetes, problemas circulatórios ou imunidade comprometida, pois apresentam dificuldade de cicatrização e defesas corporais mais frágeis.

Nessas pessoas, a unha encravada inflamada pode causar úlceras, gangrenas e se espalhar pelo dedo até chegar ao osso, causando osteomielite (infecção dos ossos).

Portanto, sempre que houver unha encravada com pus, especialmente com dor, inchaço e/ou odor fortes, procure um podólogo.

O Podólogo é o profissional capacitado a realizar os procedimentos locais mais simples e eficazes. Em caso de necessidade de terapias medicamentosas, procure um médico dermatologista.

Compartilhe

Facebook
LinkedIn
Whatsapp